Fabrício Maurício | Mudar ou mudar? Eis a questão!
3949
single,single-post,postid-3949,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

Mudar ou mudar? Eis a questão!

Mudar ou mudar? Eis a questão!

Por Assessoria em Recursos Humanos - Coach de Carreira, Saiu na Mídia 01 jul 2015

O Alto Uruguai é um jornal que tem sua sede na simpática cidade de Frederico Westphalen no Rio Grande do Sul, quase divisa com a Argentina. Tem uma grande abrangência de distribuição na região Sul do País. Grande parceiro sempre convida para pautas muito interessantes.

Na última falamos sobre RESILIÊNCIA e a importância de desenvolvermos esta competência para conseguir avançar perante as constantes mudanças do mercado de trabalho.

Confira na íntegra a entrevista abaixo e nas imagens (ou pelo site: http://www.oaltouruguai.com.br/):

Entrevista - Jornal Alto Uruguai RS I

Entrevista Jornal Alto Uruguai – RS

– Nesta época em que tanto se fala em crise, qual a necessidade de adaptação ou de ser resiliente? Porquê?

Imperiosa! Talvez seja essa uma das competências mais buscadas pelos selecionadores das grandes corporações nos dias de hoje: Adaptabilidade e resiliência. Em momentos de crise como o que o Brasil vem passando as empresas precisam se desdobrar para se manterem no mercado cumprindo suas obrigações, e isso envolve, mudanças de processos, produtos, tecnologias, que vão sempre exigir sujeitos adaptáveis para poder suportar essas oscilações. E é aí que entra a resiliência… Para dar conta de tanta mudança e na velocidade com que elas vêm acontecendo é essencial que as empresas tenham Colaboradores que possam suportar essas mudanças caminhando junto com a corporação, o que invariavelmente vai exigir muita paciência e busca por novas habilidades. Ou seja, a velha zona de conforto que foi durante tantos anos o refúgio de profissionais que se julgavam prontos, é lugar cada vez mais difícil de se habitar…

– As pessoas que possuem essas características têm vantagens? Porquê? (Dar exemplos)

Sempre e em qualquer lugar. Habilidades e competências técnicas são necessárias. Fundamentais. Ocorre que com o advento de tantas universidades, escolas técnicas e de formação, concomitante com o momento de crise do país, essas competências passaram a ser oferecidas com uma frequência maior nos processos seletivos. Sendo mais específico, se uma empresa oferece uma vaga de Administrador de Empresas por exemplo com boas condições de trabalho e benefícios, ela certamente vai receber algumas dezenas senão centenas de currículos. O que significa que este não é mais um “critério” para a decisão, mas um requisito básico. A decisão vem então sempre orientada para aqueles que conseguem apresentar uma atitude especial. Assim, se o profissional mostra sua capacidade de adaptação e resiliência através de seu histórico profissional certamente será um candidato mais apropriado.

Entrevista - Jornal Alto Uruguai RS II

– Como as pessoas que não tem essa característica tão forte podem fazer para buscar aprimorar isso?

A adaptabilidade especificamente, vai exigir, dentre outras características internas, a capacidade de exercer multitarefas ou multipapéis profissionais. Então, estar sempre atualizado, buscando conhecimento e novas formações é requisito básico para quem quer acompanhar as mudanças das empresas e do mundo do trabalho. Quanto à resiliência… Treino! “Ter paciência ou resiliência quando as coisas acontecem conforme nossas expectativas não é ter paciência. A paciência é uma arte que só conseguimos exercer quando tudo sai de nosso controle”. Por isso é fundamental estar atento aos eventos cotidianos, e consciente às suas reações ao ambiente, evitando respostas inapropriadas ou impulsivas…

– A reorganização emocional pode ser uma saída? Como fazer isso?

Talvez a única saída sustentável. Via de regra o mundo do trabalho avalia o potencial de um profissional através de um tripé pautado numa sigla que denominamos de CHÁ. E serve para designar a avaliação do Conhecimento, Habilidades e Atitudes. Os conhecimentos são adquiridos em cursos de formação formais ou não. A habilidade com a prática diária do trabalho, a repetição. A atitude é de cada um. E cada um desenvolve a sua ou não. Geralmente a atitude do indivíduo norteia suas decisões. Se o sujeito entende dificuldade em evoluir com sua adaptabilidade ou resiliência, a busca por um apoio profissional afim de reorganizar seu estado emocional é a melhor saída para os avanços efetivos. Um Coach para uma orientação mais eficaz de presente e futuro é uma boa saída, além de encorajar o indivíduo para as mudanças. Entretanto se o sujeito percebe que existem questões do passado, traumas, crenças, que precisam ser trabalhadas para um avanço mais consistente e sem olhar para trás, um Psicoterapeuta pode auxiliá-lo bem até sua concreta autonomia.

Entrevista - Jornal Alto Uruguai RS III

– Essa pode ser a hora de fazer mudanças em casa (por exemplo, filhos pensarem em buscar trabalho para ajudar os pais…)?

Sem dúvida. O mundo está mudando. Porque o mundo do trabalho não haveria de mudar? Não há nada de errado em jovens começarem mais cedo. Desde que é claro seja possível conciliar os estudos e formação da base. No passado e ao longo de muitos anos o trabalho teve uma conotação muito negativa na sociedade. “Trabalhar era coisa de gente pobre”… A realidade é outra hoje. É fato que existe um ponto inicial que deve ser respeitado, afim de evitarmos o assassinato precoce da infância e adolescência de nossos jovens, contudo certamente quanto antes a juventude se lançar para a vida, maiores são suas chances de se formarem cidadãos adaptáveis e resilientes às crises e mudanças…

– Quais seriam outras saídas para lidar com a crise?

No mundo em que vivemos hoje, a única coisa que é imutável é que o mundo está mudando muito rápido… por isso é preciso estar em permanente movimento para se manter em equilíbrio. Aquele profissional que ainda acredita ser capaz repousar no berço esplêndido da extinta zona de conforto, vai passar sua vida em luta consigo mesmo e com o mercado, e o pior… Certamente vai perder essa luta num momento em que será tarde demais para a revanche…

Fabrício Maurício é Psicólogo, Coach, Consultor em gestão, Escritor e autor dos livros

Batalha Interior – Escolhas da Vida e Diário de uma Bicicleta  publicados pela Editora Pandorga.

www.fabriciomauricio.com.br

Publique seu comentário