Fabrício Maurício | A Covarde Coragem de Existir
2962
single,single-post,postid-2962,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

A Covarde Coragem de Existir

A Covarde Coragem de Existir

Por Fabricio Mauricio em Atrevendo-me a Poetizar 28 jun 2012
Morro de novo todos os dias.

Quase diariamente ressuscito.

Tem horas que acordo morto.

Tem horas que ressuscito quando durmo. Quando sonho.

Às vezes ressuscito e acordo. Logo passa e morro de novo.

Vez em quando me venço.

Vez ou outra me perco. E morro. Perdido, morro.

Não consigo subir. Caio. Ressuscito. Levanto e subo.

Esfrio, esquento.

Uma montanha russa ou uma roda gigante?

O melhor brinquedo não sei!

A aventura de viver e morrer todos os dias de novo, já sei.

Se é bom ainda não sei.

Sei que é necessário para o viver.

E para de novo poder viver, outra vez terei que morrer.

Uma pena tanto temer…

Enquanto o medo me dominar, vou morrer lamentar e me enlutar.

Quando a coragem chegar, vou ressuscitar, acordar e se até lá não enlouquecer, vou de novo viver.

Publique seu comentário