Fabrício Maurício | 2012 junho
0
archive,date,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

junho 2012

A Covarde Coragem de Existir

Posted by Fabricio Mauricio in Atrevendo-me a Poetizar

Morro de novo todos os dias. Quase diariamente ressuscito. Tem horas que acordo morto. Tem horas que ressuscito quando durmo. Quando sonho. Às vezes ressuscito e acordo. Logo passa e morro de novo. Vez em quando me venço. Vez ou outra me perco. E morro….

A Tampa da Panela

Posted by Fabricio Mauricio in Gotas de Lágrimas

– Bora lá Ernesto, vai Eu minha Gata, tu e uma amiga da minha Gata! – E esta amiga da sua Gata é Gata? – Ela falou que é. – Falou que é só pra Eu topar. Será que é mesmo? – Cara, se não…

A Galeada

Posted by Fabricio Mauricio in Gotas de Lágrimas

Não se trata de goleada (vários gols em uma partida de futebol), nem de galinhada (comida típica mineira ou goiana – e olha que isto dá uma briga danada!). É galeada mesmo! Mais ou menos a mesma linha de produção da galinhada, com a diferença…

Natureza Selvagem

Posted by Fabricio Mauricio in Atrevendo-me a Poetizar

Àquele Magazine de Portugal, publicou este mês de junho duas poesias que fiz há algum tempo. Natureza Selvagem, e Boneca de Ferro Carrinho de Porcelana. Uma das primeiras coisas que escrevi. Tentem entender… Boneca de Ferro Carrinho de Porcelana Quem foi que disse que Deus escreve…