Fabrício Maurício | Papai, hoje foi o pior dia da minha vida!
2984
single,single-post,postid-2984,single-format-standard,ajax_updown_fade,page_not_loaded,

Papai, hoje foi o pior dia da minha vida!

Papai, hoje foi o pior dia da minha vida!

Por Fabricio Mauricio em Gotas de Lágrimas 24 mar 2012

 

Esta frase soou como pequenas facas rasgando meus tímpanos atingindo em cheio meu coração… Chegava de minha aula de violão, super animado, pois naquele dia havia soltado com certo desafino (após muito treino) a melodia de “Que País é este – Legião Urbana”. Quando fui até o quarto do meu instrumento para acomodá-lo em sua cama, para o merecido descanso, fui abordado com uma profunda e dolorida frase saindo da boca de meu primogênito.

Aquele pequeno Lindo Anjo, contando tantas histórias emendadas em outras que mal se dá pra entender uma e me seguindo com um olhar ingênuo, puro e tão verdadeiro como o movimento dos rios até o mar. Completamente inocente, crente convicto no Coelho da Páscoa que chegará em alguns dias trazendo seu Ovo, de repente solta esta: “Papai, hoje foi o pior dia da minha vida!”

De repente todo som do mundo se calou, não podia ouvir nem sentir mais nada… Foram rápidos segundos de entorpecência total. Esqueci meu violão, minha conquista, a hora e o que iria fazer naquele momento. Uma sensação de moleza nas pernas, de calafrio na barriga que vem subindo da cintura até o peito atingindo o coração e acelerando sobremaneira seus batimentos, desconcertando todo o resto de seu funcionamento, tomou conta de mim.

A razão daquilo era menos importante. Como este frágil e indefeso ser de apenas 6 anos de existência, podia ter consciência do que estava falando? Eu sabia que a sinceridade com que tinha espontaneamente verbalizado aquilo, poderia fazê-lo acreditar em coisas diferentes de tudo que procuramos arduamente ensinar a respeito da vida. Isto me desconcertou. Flutuei e caí de uma altura que fez doer todo o meu Ser.

– Papai, estava na escola brincando com o … e Ele me deu um soco no olho…

Minha alma chorou, como uma criança de 6 anos. Soluçou. Encolheu-se e doeu muito caber no apertado espaço que a Ela foi reservado no momento daquelas palavras.

Ouvi a história em seus detalhes e tentei com muito cuidado – abaixando até a altura de seus olhos, olhando fixo para eles, vendo superficialmente o resto da silhueta de seu rosto, (tamanha era a fixação em seus olhos) – explicar tal acontecimento (inexplicável!!!), para aliviar seu sentimento de humilhação e total confusão e dúvida.

Queria muito que este dia nunca existisse em sua vida… Vã ilusão… Todos nós temos este dia (o pior  de nossas vidas), só que imaginei que para Meus Filhos este dia tardaria muito a chegar.

Os Filhos são Filhos do Mundo. Nós Pais somos facilitadores desta interação tão somente. Temos a nobre, árdua e recompensadora tarefa de suavizar esta relação. Só isto (ou tudo isto)! É, ou pelo menos deve ser Grande nossa Obra. Afinal não basta educar, dar Amor e ensinar o Amor. É preciso estender esta postura ao mundo! Ora, se só operamos para equilibrar este contato deles com o mundo, temos que atuar nas duas frentes! É nossa a responsabilidade de melhorar o mundo e buscar esta evolução nas pessoas que o habitam, já que estes infalivelmente vão se cruzar em todas estas voltas. E que nestas voltas possamos cruzar nosso próximo sem violência, saudando com carinho os que passam por nossas vidas, não os socando!

Minha alma ainda chora. Está de luto, mas em plena ação. É incansável. Crio os meus Filhos para nunca, mas nunca, nunca mesmo em qualquer hipótese ter que usar da violência para conseguir qualquer coisa que seja nesta vida. Mas o mundo é muito maior e sozinho não vou conseguir em uma só existência convencê-lo da beleza disto. A pergunta não cala… O paradoxo desta pergunta; na aula de violão soando com tanta alegria, depois de ouvir esta frase do meu Pequeno com tanta tristeza:

Que País é este?

Quer me ajudar a reconstruí-lo?

  • Quênia 31 de março de 2012 at 00:54 / Responder

    Mil vezes sim!

    E se fazemos juntos, nos fortalecemos nas tempestades.

    Com minha família esta preocupação não é diferente. Certa vez pensei até mesmo criar uma entidade PA=>PAIS EM AÇÃO,que desejassem recontruir e garantir um mundo melhor.

    Espero que vários pais que não dão a mínima para seus filhos, leem esse desabafo.

  • fabricioliver 31 de março de 2012 at 18:02 / Responder

    Quenia, estou junto contigo nesta entidade!!!! O Mundo precisa de mais Amor!

Publique seu comentário